Evangelho do dia (Mt 8,5-17)

Anúncio Site Belles Stúdio Pilates 130X680Quando Jesus entrou em Cafarnaum, um centurião aproximou-se dele, suplicando: “Senhor, o meu criado está de cama, lá em casa, paralisado e sofrendo demais”. Ele respondeu: “Vou curá-lo”. O centurião disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu criado ficará curado. Pois eu, mesmo sendo subalterno, tenho soldados sob as minhas ordens; e se ordeno a um: ‘Vai”, ele vai, e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e se digo ao meu escravo: ‘Faze isto!’, ele faz”. Ao ouvir isso, Jesus ficou admirado e disse aos que o estavam seguindo: “Em verdade vos digo: em ninguém em Israel encontrei tanta fé. Ora, eu vos digo: muitos virão do oriente e do ocidente e tomarão lugar à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó, enquanto os filhos do Reino serão lançados fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes”. Então, Jesus disse ao centurião: “Vai! Conforme acreditaste te seja feito”. E naquela mesma hora, o criado ficou curado. Entrando na casa de Pedro, Jesus viu a sogra deste acamada, com febre. Tocou-lhe a mão, e a febre a deixou. Ela se levantou e passou a servi-lo. Ao anoitecer, levaram a Jesus muitos possessos. Ele expulsou os espíritos pela palavra e curou todos os doentes. Assim se cumpriu o que foi dito pelo profeta Isaías: “Ele assumiu as nossas dores e carregou as nossas enfermidades”.

Comentário

Neste episódio, presente também nos evangelhos de Lucas e João (Lc 7,1-10; Jo 4,46-53), a finalidade é afirmar a universalidade da salvação trazida por Jesus e a eficácia de sua palavra. No centro do episódio está a fé do centurião na palavra de Jesus, que o cristão deve imitar. Essa fé contrasta com a incredulidade de Israel e a sua dureza de coração. Pela fé, o centurião, que é pagão, pôde experimentar o poder vivificante da palavra de Jesus, que realiza o que ela enuncia, porque comunica o sopro do Espírito que faz viver. O centurião reconhece a autoridade de Jesus ao confessar-se indigno de recebê-lo em sua casa. Aquele pagão não exigia de Jesus nenhum gesto; bastava-lhe a palavra que ele cria não encontrar na distância uma barreira para a sua realização. A palavra dá a vida, do mesmo modo que a Palavra de Deus transformou a desordem do caos na beleza do universo. Uma fé expressa desse modo, o Senhor jamais havia encontrado em todo o Israel. A cura do servo do centurião serve para afirmar a universalidade da salvação de Deus. O Senhor escuta a súplica de todos os povos e não somente de Israel, pois ele não faz distinção de pessoas. Por sua vez, a fé incondicional do centurião deve ser imitada pelos discípulos de Jesus Cristo.

Pe. Carlos Alberto Contieri, sj – www.paulinas.org.br

Neste episódio, presente também nos evangelhos de Lucas e João (Lc 7,1-10; Jo 4,46-53), a finalidade é afirmar a universalidade da salvação trazida por Jesus e a eficácia de sua palavra. No centro do episódio está a fé do centurião na palavra de Jesus, que o cristão deve imitar. Essa fé contrasta com a incredulidade de Israel e a sua dureza de coração. Pela fé, o centurião, que é pagão, pôde experimentar o poder vivificante da palavra de Jesus, que realiza o que ela enuncia, porque comunica o sopro do Espírito que faz viver. O centurião reconhece a autoridade de Jesus ao confessar-se indigno de recebê-lo em sua casa. Aquele pagão não exigia de Jesus nenhum gesto; bastava-lhe a palavra que ele cria não encontrar na distância uma barreira para a sua realização. A palavra dá a vida, do mesmo modo que a Palavra de Deus transformou a desordem do caos na beleza do universo. Uma fé expressa desse modo, o Senhor jamais havia encontrado em todo o Israel. A cura do servo do centurião serve para afirmar a universalidade da salvação de Deus. O Senhor escuta a súplica de todos os povos e não somente de Israel, pois ele não faz distinção de pessoas. Por sua vez, a fé incondicional do centurião deve ser imitada pelos discípulos de Jesus Cristo.

Pe. Carlos Alberto Contieri, sj – Conteúdo publicado em Comece o Dia Feliz – www.paulinas.org.br

ORAÇÃO AO DIVINO PAI ETERNO

Aqui estamos para prestar-vos a nossa homenagem.

Nós cremos em vós, Pai Eterno, nosso Pai e nosso Criador.

Confiamos em vossa bondade e poder.

Queremos amar-vos sempre, cumprindo vossos mandamentos e servindo ao vosso Filho Jesus, na pessoa de nossos irmãos.

Nós vos damos graça pelo vosso amor e pela vossa ternura.

Vós nos atraís ao vosso Santuário e nos acolheis de braços abertos. Vós nos guiais com os ensinamentos do vosso Filho, Nosso Senhor, e nos dais sempre o vosso perdão.

DIVINO PAI ETERNO, QUEREMOS CONSAGRAR A VÓS:

Nossas famílias, para que vivam em paz e harmonia;

Nossas casas, para que sejam iluminadas pela vossa presença.

Nossas alegrias, para que sejam santificadas pelo vosso amor.

Nossas preocupações, para que sejam acolhidas em vossa bondade;

Nossas doenças, para que sejam remediadas com a vossa misericórdia;

Nossos trabalhos, para que sejam fecundos com a vossa bênção.

DIVINO PAI ETERNO,

Recebei a homenagem da nossa fé, fortalecei a nossa esperança e renovai o nosso amor. Dai-nos o dom da paz e da fidelidade à vossa Igreja. Pela intercessão de Nossa Senhora, mãe do vosso querido Filho, dai-nos a perseverança na fé e a graça da salvação eterna.

Amém!

Compartilhe

PinIt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.