Evangelho do dia (Lc 12,39-48)

banner-interno-ok

Anúncio Site Belles Stúdio Pilates 130X680

“Ficai certos: se o dono da casa soubesse a que horas viria o ladrão, não deixaria que fosse arrombada sua casa. Vós também ficai preparados! Pois na hora em que menos pensais, virá o Filho do Homem.” Então Pedro disse: “Senhor, é para nós ou para todos que contas esta parábola?” O Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e atento, que o senhor encarregará de dar à criadagem a ração de trigo na hora certa? Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! Em verdade eu vos digo: o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. Porém, se aquele empregado pensar: “Meu patrão está demorando”, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor, nada preparou, nem agiu conforme a sua vontade, será chicoteado muitas vezes. Porém, o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo, será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!

Comentário

Já temos observado, mas vale insistir: mais do que outros evangelistas, Lucas insiste no tema do “atraso da parusia”. Esse tema está na motivação de várias parábolas de Jesus. A ideia de que a segunda vinda do Senhor seria iminente e a frustração da não realização do que eles pensavam ser essa segunda vinda de Jesus, geraram certo clima de ceticismo, comodismo e laxismo na prática dos valores evangélicos na comunidade cristã primitiva. Certamente, é essa situação que subjaz à insistência sobre a necessidade de vigilância, pois a vinda do Senhor tem um caráter de surpresa e imprevisibilidade. O Reino de Deus é dom. Daí que ninguém pode tirá-lo ou se apropriar dele como seu. Jesus exorta a comunidade dos discípulos a não se dispersar e a tomar cuidado para não ser assimilada pelos bens terrenos, mas a se manter fiel à sua vocação e à sua busca incessante do Reino de Deus, a partir do qual tudo adquire valor. Essa busca exige vigilância e discernimento, e, como toda busca, empenho para usar os meios adequados para, uma vez encontrada a vontade de Deus, realizá-la. A imprevisibilidade da vinda do Senhor exige vigilância, isto é, não se deixar adormecer pelas preocupações mundanas. É essa atitude de atenção ao que é de Deus que permite, com a graça do Senhor, ser testemunha viva de Cristo.

Carlos Alberto Contieri, sj – www.paulinas.org.br

ORAÇÃO AO DIVINO PAI ETERNO

Aqui estamos para prestar-vos a nossa homenagem.

Nós cremos em vós, Pai Eterno, nosso Pai e nosso Criador.

Confiamos em vossa bondade e poder.

Queremos amar-vos sempre, cumprindo vossos mandamentos e servindo ao vosso Filho Jesus, na pessoa de nossos irmãos.

Nós vos damos graça pelo vosso amor e pela vossa ternura.

Vós nos atraís ao vosso Santuário e nos acolheis de braços abertos. Vós nos guiais com os ensinamentos do vosso Filho, Nosso Senhor, e nos dais sempre o vosso perdão.

DIVINO PAI ETERNO, QUEREMOS CONSAGRAR A VÓS:

Nossas famílias, para que vivam em paz e harmonia;

Nossas casas, para que sejam iluminadas pela vossa presença.

Nossas alegrias, para que sejam santificadas pelo vosso amor.

Nossas preocupações, para que sejam acolhidas em vossa bondade;

Nossas doenças, para que sejam remediadas com a vossa misericórdia;

Nossos trabalhos, para que sejam fecundos com a vossa bênção.

DIVINO PAI ETERNO,

Recebei a homenagem da nossa fé, fortalecei a nossa esperança e renovai o nosso amor. Dai-nos o dom da paz e da fidelidade à vossa Igreja. Pela intercessão de Nossa Senhora, mãe do vosso querido Filho, dai-nos a perseverança na fé e a graça da salvação eterna.

Amém!

Compartilhe

PinIt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.